A Igreja de San Pio 

Edoardo Pacelli, 1º de julho de 2004

A nova Igreja dedicada a San Pio, em San Giovanni RotondoDepois de cerca de dez anos de obras, foi consagrada neste primeiro de julho, a nova Igreja que os Frati Minori Cappuccini fizeram construir em San Giovanni Rotondo, na Itália, segundo o projeto do celebre arquiteto genovês, Renzo Piano -  autor do Museu Pompidou em Paris e do aeroporto de Osaka, no Japão. A Igreja é dedicada ao Santo Pio de Pietrelcina.

A execução das obras, iniciadas no mês de julho de 1994, encontrou muitas dificuldades ao longo dos anos, dificuldades que os religiosos enfrentaram com muita coragem e com a generosidade dos devotos do Santo, que sustentaram a iniciativa. A basílica, realizada para melhor acolher os fieis que confluem sempre mais numerosos ao Santuário em San Giovanni Rotondo (a nova igreja poderá acolher mais de 8.000 peregrinos, no interior, e cerca de 30.000 no anfiteatro exterior), necessitou de 1.320 blocos de pedra e cerca de 30.000 metros cúbicos de concreto. A grande cruz, na frente da igreja, é alta 40 metros e ao redor foram plantados, entre outros, 2.000 ciprestes e 500 pinheiros.

O arquiteto Renzo Piano - ANSAO autor da basílica, dedicada ao frei de Pietrelcina, declarou de não ter aceitado a tarefa por dinheiro, pois, graças a Deu, não precisa dele, mas para testar, como leigo e crente, sua dimensão espiritual interior que o levou a conceber a obra em pedra e madeira, dois materiais fortes, pois estes dois elementos são, para ele, o retrato de Padre Pio. O arquiteto afirmou, ainda, que não se sentiu atraído pela dimensão miracolistica do Santo. Elaborou seu projeto com paixão, temor, respeito, mas, ao mesmo tempo, com prudência. Uma prudência que lhe permitiu de eludir a cerca obsessiva dos comitentes, os freis, e ouvir, ao contrário, os conselhos de monsenhor Valenziano, a única pessoa que, no âmbito de igrejas e basílicas, até audaciosas do ponto de vista arquitetônico, como esta, demonstra saber mais que todos, apenas abre a boca.

Desde ministros até humildes peregrinos participaram da inauguração da monumental igreja construída em resposta a um dos desejos de são Pio de Pietrelcina na localidade em que vivia o «frade dos estigmas».

O templo foi qualificado por vários órgãos de imprensa italianos como o maior do mundo católico, depois da Basílica de S. Pedro do Vaticano.

Na celebração eucarística de inauguração estava presente Joaquim Navarro-Valls, porta-voz da Santa Sé, que declarou que João Paulo II «está feliz com San Giovanni Rotondo e com esta nova igreja». A eucaristia foi presidida por D. Domenico D’Ambrosio, delegado da Santa Sé para o Santuário de São Pio de Pietrelcina, arcebispo de Manfredonia-Vieste-San Giovanni Rotondo, que na homilia considerou que o novo tempo constitui um chamado à santidade, da mesma forma que a vida do religioso capuchinho. Entre os concelebrantes estavam mais de 25 bispos, o núncio apostólico da Itália representando o Papa, o arcebispo Paolo Romeo, assim como o ministro geral da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, o padre John Corriveau.

As obras de construção da nova igreja começaram em 1994, mas o padre Pio já falava dela em 1959. Em 1 de julho daquele ano foi inaugurada a nova igreja de Santa Maria das Graças, e o frade capuchinho perguntou brincando: «Que fizeram? Uma caixa de fósforo?» «A próxima igreja tem que ser maior», pediu o padre Pio a seus irmãos em religião. Os frades capuchinhos tomaram seu desejo como uma ordem. De fato, os números da construção são impressionantes.

São Pio de Pietrelcina nasceu em 25 de maio de 1887 e morreu em 23 de setembro de 1968. Após entrar na Ordem dos Franciscanos Menores Capuchinhos foi ordenado sacerdote em 1910. Em setembro do mesmo ano foi enviado ao Convento de San Giovanni Rotondo e permaneceu ali até sua morte. João Paulo II, que o conheceu pessoalmente quando era arcebispo de Cracóvia, canonizou-lhe em 16 de junho de 2002. Cada ano mais de sete milhões de peregrinos visitam San Giovanni Rotondo. Os Grupos de Oração do Padre Pio são hoje mais de 3.000 em todo o mundo.